Furto e roubo de veículos

Publicado: 2 de setembro de 2013 em Uncategorized
Tags:, , , ,

Capital supera Rio e SP

Os paulistanos e os cariocas têm menos motivos para se preocupar com os ladrões do que os proprietários de veículos em Porto Alegre. Um levantamento das ocorrências de roubos e furtos no primeiro semestre de 2013 revela que, na capital gaúcha, proporcionalmente à frota, o risco de o motorista ser ameaçado por um assaltante armado ou constatar que o seu carro estacionado na rua foi levado por ladrões é maior do que nas duas principais metrópoles do Brasil.
Avoracidade dos ladrões de carros é maior em Porto Alegre do que nas duas metrópoles mais populosas do país. Números oficiais do primeiro semestre apontam que os furtos e os roubos de veículos na capital do Rio Grande do Sul, proporcionalmente à frota, superam os casos entre paulistanos e cariocas.
Em Porto Alegre, são 6,75 carros levados a cada mil, enquanto em São Paulo são 6,43 veículos a cada mil. No Rio de Janeiro, 3,32 veículos, menos da metade da taxa registrada na capital gaúcha. O fenômeno causa ainda mais espanto porque Porto Alegre tem apenas 13,8% da frota do Estado e concentra 35% dos furtos e roubos do RS. A capital paulista tem 29,9% da frota e a fluminense, 45,3%.
Os dados revelam que, sob o aspecto da criminalidade, é mais perigoso dirigir em Porto Alegre do que nas outras duas cidades. E o temor é perder a vida. Desde 2007, os roubos superam os furtos – muito influenciado pelos sistemas de seguranças dos carros, como alarmes e corta-correntes, obrigando o ladrão a necessitar da chave para ligar o automóvel. Isto significa que, em Porto Alegre, o risco de um motorista ter o carro roubado, atacado por um bandido de arma em punho, podendo ser ferido ou morto, é duas vezes maior do que ocorrer um furto (quando o ladrão leva o veículo sem o dono estar presente). Nem em São Paulo nem no Rio este risco é tão elevado assim.
Entre as três capitais, a Cidade Maravilhosa já esteve na ponta desse ranking de 2004 e 2006, mas agora ocupa o terceiro posto. Especialistas justificam a queda nos índices do Rio de Janeiro como fruto de investimentos em segurança pública e nas melhorias dos organismos de trânsito e na fiscalização em desmanches clandestinos.
Já São Paulo, que apresentava os melhores índices entre as três cidades e hoje quase empata com Porto Alegre, enfrenta uma onda de violência desde 2012, após experimentar quedas nas taxas de criminalidade durante os 11 anos anteriores.
Conforme o analista criminal paulista Guaracy Mingardi, um dos problemas em São Paulo é a baixa produtividade das polícias na retirada das quadrilhas das ruas.
– Investigação e fiscalização é que levam a baixar os índices – afirma Mingardi.
Mas por que Porto Alegre é líder? Um das explicações seria a proliferação cada vez maior de quadrilhas oriundas de cidades vizinhas, especializadas neste tipo de crime. Outro motivo pode ser as deficiências de prevenção.
Este ano, em relação a 2011, a Brigada Militar reduziu em dois terços o número de inspeções em desmanches no Estado, e em 20% o número de veículos fiscalizados. E a Polícia Civil conta com apenas duas delegacias especializadas em reprimir furtos e roubos de veículos na Região Metropolitana (uma em Porto Alegre e outra em Canoas, inaugurada em janeiro).
A Lei dos Desmanches, que visa a sufocar a compra e a venda de autopeças furtadas e roubadas, recém começou a entrar em prática, após seis anos de vigência, em dois (São Leopoldo e Sapucaia do Sul) dos 120 estabelecimentos credenciados pelo Detran. E o “cercamento” da Capital com câmeras de vigilância adaptadas a sensores que identificam carros em situação irregular segue no papel há mais de um ano.

joseluis.costa@zerohora.com.br

JOSÉ LUÍS COSTA

CONTRAPONTOS

O que diz o delegado Arthur Teixeira Raldi, da Delegacia de Roubo de Veículos (DRV)

“A maior dificuldade é manter as quadrilhas presas. A legislação penal é branda, e os criminosos ficam pouco tempo atrás das grades. Em 2012, só a DRV prendeu cerca de 120 pessoas. Em oito meses deste ano, já foram capturados 110 criminosos. Isso mostra o crescimento das quadrilhas. A Chefia de Polícia Civil tem projeto para aumentar o número de delegacias para combater os furtos e os roubos de veículos.”

O que diz o coronel da BM João Godoi, comandante de Policiamento da Capital

“Estamos com toda a estrutura disponível nas ruas para combater os ladrões de carros, especialmente na área do 11º BPM – responsável pelo patrulhamento em parte da Zona Norte e bairros mais afetados. O 11º BPM tem obtido bons resultados com a prisão de quadrilhas.

Por vezes, não conseguimos executar todas as operações.”

Bairros mais visados

http://www.clicrbs.com.br/pdf/15535473.pdf

Dicas de segurança

http://www.clicrbs.com.br/pdf/15535474.pdf

Banco dos dados traz a geografia do crime

http://www.clicrbs.com.br/pdf/15535475.pdf

comentários
  1. MARIO MERCIO disse:

    Escreve Mário Mércio: Acabando com os receptadores, diminui o furto. Já há maior controle do ferro velhos e sucatas o que ajuda tb..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s