Coluna de Paulo Sant’Ana

Publicado: 30 de outubro de 2013 em Uncategorized
Tags:,

Celular nos presídios

E assim vou vivendo a vida aos trambolhões, uma luz no caminho aqui, uma escuridão espessa ali, a vida de todos tem esses solavancos.
E eu vou indo, ora tímido, ora intrépido, igual se vive.
Quando gritei as injustiças, logo me fizeram calar.
Durante décadas, clamei contra o esmigalhamento dos doentes e contra a também escuridão espessa dos presídios, parece-me que ninguém me ouviu.
E sinto que vou continuar gritando. Igual se vive.

*
E presumo que tenho feito mais pelos outros do que por mim. E me surge uma dúvida esplêndida: quando faço pelos outros, não estou fazendo por mim? Seja qual for a resposta, igual se vive.
*
Sinto que sou o mais lido não pelo que escrevo, mas pela expectativa dos leitores do que eu possa vir a escrever.
*
O mais espetacular, por exemplo, é essa nova moda de os traficantes de drogas e assaltantes comandarem as ações criminosas de dentro dos presídios.
Diante disso, as polícias restam estupefatas: elas não têm de prender os chefes das quadrilhas. Afinal, eles já estão presos.
*
É incrível que, preso, o chefe da quadrilha tenha mais liberdade de ação do que se estivesse solto.
*
Por sinal, o Cláudio Brito tem uma sugestão: ele acha que ficaria muito melhor e menos complicado que, ao ser preso, seja entregue ao novel detento um celular novinho em folha. E eu afirmo que, se fosse assim, pelo menos se evitaria o delito de venda de celulares aos presos.
É incrível mas até hoje não se descobriu como os celulares entram nos presídios, já que os visitantes são rigorosamente revistados.
*
E eu fico cismando em que o fato de o crime ser chefiado de dentro dos presídios se deve a que a sociedade exatamente não conseguiu administrar os presos aqui de fora.
Se nós não mandamos nos presos, eles acabaram mandando em todos nós.
*
Disseram-me, e eu não duvido, que a Claro, a Vivo e a Tim já providenciaram para instalar dentro de todos os presídios lojas de atendimento para venda ou conserto de aparelhos celulares. Esse fato se deveu a que as autoridades fracassaram redondamente em interceptar as ligações de celulares no interior das cadeias.
Então liberou geral. Até para o comércio in loco.
*
Dizem-me que esses dias um diretor de presídio mandou um guarda ir buscar um preso na galeria. Queria interrogá-lo.
E o preso mandou dizer ao diretor, pelo guarda, que em 20 minutos estaria lá no seu gabinete, porque teria que responder a 15 ligações telefônicas que recém tinha recebido.

comentários
  1. everaldo disse:

    Dizer que não sabe como os celulares entram nos nos presídios e acusar, indiretamente, as pessoas que la trabalham é muito fácil, porque os trabalhdos do sistema prisional nunca são houvidas. Acusar uma categoria é muito mais fácil que acusar o governo ou os políticos ou simplismente não querer mostrar o lado podri da maça.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s