Agonia das Estradas – do Tarso Genro/PT

Publicado: 6 de novembro de 2013 em Uncategorized
Tags:, , ,
RS mal no ranking das estradas do Sul

Mais de 10% dos 8.255 quilômetros de rodovias pavimentadas do Rio Grande do Sul estão em situação ruim ou péssima, segundo a Pesquisa Confederação Nacional do Transporte (CNT) de Rodovias 2013, divulgada na última quinta-feira.

Imagem

Cantado em prosa e verso, o orgulho dos gaúchos tem poucas razões para se manter, no que se refere à condição das estradas. Apenas 5,3% delas são consideradas ótimas na pesquisa CNT de Rodovias 2013. Em Santa Catarina e no Paraná, o percentual de estradas consideradas em ótima situação é de 22%.
Se somadas as notas Ótimo e Bom, 48,9% das rodovias gaúchas encontram-se nessa situação. Em Santa Catarina, esses conceitos se aplicam a 55,3% das estradas. No Paraná, 62,8% delas foram consideradas boas ou ótimas. As avaliações incluem rodovias estaduais, federais e concedidas.
Ou seja, se levadas em conta as condições ideais, o Rio Grande do Sul apresenta a pior situação rodoviária entre os três Estados do Sul. Já no extremo oposto, o da ruindade, os catarinenses estão pior que os gaúchos (5,8% consideradas péssimas) e paranaenses, também (3,5%). Assim, na base do ranking, o das piores estradas, os gaúchos estão melhores.
Mas o Rio Grande do Sul está perdendo para ele mesmo, se comparado com o ano passado. Os índices satisfatórios (Ótimo e Bom) sobre a conservação dos trechos no Estado apresentam piora desde 2010. Nesta edição, do total de 8.255 quilômetros avaliados, 48,9% estão em condições ótimas e boas. No ano passado, o índice era de 58,7%. Desses, 5.525 quilômetros são gerenciados pelo setor público e 2.730 estão vinculados a concessionárias.
O Rio Grande do Sul apresenta há anos uma situação de decadência na malha rodoviária, como mostrou o caderno especial A Agonia das Estradas, publicado por ZH em março. Apenas 7,2% das rodovias gaúchas são pavimentadas. É bem menos do que a média brasileira, de quase 13 quilômetros asfaltados em cada cem, conforme dados de 2012 do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).
O problema não se limita ao Sul. O dilema da precariedade em rodovias se repete Brasil afora. A pesquisa avaliou mais de 95 mil quilômetros no país, e o retrato é desanimador. Todos os indicadores pioraram em relação a 2012: condições gerais das estradas, problemas na pavimentação, irregularidades na geometria, inexistência de acostamento, sinalização deficiente. Tudo está mais precário do que no ano passado.
E qual o resultado prático disso? Além do óbvio risco de acidentes, rodovias sem conservação prejudicam o ambiente, aponta a pesquisa da CNT. As bem conservadas propiciam uma economia no consumo de combustível de até 5% na comparação com rodovias que apresentam alguma deficiência. Se for considerado o consumo de óleo diesel no Brasil em 2013, com a melhoria das condições do pavimento, seria possível uma economia de 661 milhões de litros (R$ 1,39 bilhão) e uma redução da emissão de 1,77 megatonelada de gás carbônico, principal gás de efeito estufa, calcula a pesquisa feita pela entidade.
Para o presidente da CNT, Clésio Andrade, os números mostram a necessidade urgente de aumentar os investimentos.

O governo tem uma dificuldade gerencial. Muitos projetos não saem do papel. Há um excesso de burocracia” – disse ele, no lançamento da pesquisa.

E as perspectivas não são animadoras. Andrade ressalta que, em 2013, o total autorizado pelo governo federal para investimentos em rodovias é de R$ 12,7 bilhões. Bem menos que os R$ 18,7 bilhões autorizados no ano passado.

CONTRAPONTOS

O que diz Pedro Luzardo Gomes, superintendente do DNIT no RS

Os dados nos colocam em melhores condições. Unindo ótimas, boas e regulares, temos um resultado acima dos demais Estados. O mesmo ocorre com os índices negativos, abaixo dos de Santa Catarina e Paraná Temos contrato de manutenção de toda a malha. E os investimentos em manutenção são de R$ 157 milhões.”

O que diz João Vitor Domingues, secretário estadual de Infraestrutura e Logística

Nos reunimos hoje com as duas empresas que farão a restauração das piores estradas, as da Serra. Em 20 dias, as obras começam, já que eles têm usina de asfalto em Casca. Quanto à pesquisa CNT, o RS se saiu até de forma razoável, para um Estado que teve obras questionadas no Tribunal de Contas em outras gestões e só há pouco engrenou num bom programa de recuperação de rodovias”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s