Caos carcerário pelos representantes do SSP/Susepe

Publicado: 23 de dezembro de 2013 em Uncategorized
Tags:, , ,
Presídio Central sob nova inspeção
Força-tarefa comandada pela OAB começa pela Capital caravana nacional

Image

Símbolo da crise prisional no Brasil e alvo de investigação internacional por violação de direitos humanos, o Presídio Central de Porto Alegre enfrenta hoje mais um teste. A cadeia será vistoriada por autoridades ligadas à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ao Conselho Regional de Medicina (Cremers) e ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea/RS). O que eles vão encontrar pouco difere da inspeção anterior, em abril de 2012.

Na ocasião, os visitantes saíram do presídio escandalizados com as péssimas condições da cadeia e encaminharam, em parceria com a Associação dos Juízes gaúchos (Ajuris), uma representação contra o Brasil na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA). O caso segue sob análise e é esperada uma definição em fevereiro, quando novos integrantes assumem na CIDH. A vistoria de hoje será a primeira feita por caravana nacional da OAB, que até fevereiro inspecionará presídios em todo o país. Ao final, será feito um relatório a ser entregue ao Ministério da Justiça, podendo ser proposta a interdição ou até o fechamento de casas.

São 4,4 mil detentos em um espaço para menos da metade

A estrutura física da maioria dos pavilhões do Central está condenada pela engenharia civil, a cadeia continua superlotada, abriga 4,4 mil detentos em espaço projetado para menos da metade deste número. Os presos dormem amontoados, a maioria espalhada pelo chão em ambientes insalubres e ricos em proliferação de doenças como tuberculose, hepatites e verminoses.

– Nas áreas de vivência, em celas, galerias e pátios, a situação segue idêntica a antes – assegura o juiz de Execuções Criminais Sidinei Brzuska.

A rede de esgoto cloacal, um dos pontos mais criticados na inspeção do ano passado, segue com problemas. Apesar de reformas, tubulações quebradas e pilastras de concreto corroídas pelas quais escorrem dejetos in natura fazem parte do cotidiano.

As melhorias ficam por conta de nova cozinha que entrou em funcionamento em julho de 2012. Além disso, a terceira galeria do pavilhão C foi reformada, embora ainda não possa ser ocupada pela falta de rede hidráulica, sanitários, parte elétrica e camas de concreto. O lugar era semelhante a um cenário de guerra como se vê em países em conflito civil como na Síria.

A comitiva de engenheiros, médicos e advogados contará com o piauiense Marcus Vinicius Furtado Coêlho, presidente nacional da OAB.

JOSÉ LUÍS COSTA

CONTRAPONTO
O que diz o tenente-coronel Osvaldo da Silva, diretor do Presídio Central de Porto Alegre
O Central está melhor. O esgoto é um problema crônico. Nós, permanentemente, trocamos canos, mas não duram duas semanas. Os presos furam para esconder drogas, celulares e estoque (armas artesanais). O esgoto chega aos pátios, mas não ocorrem mais alagamentos, vai direto para os bueiros. Temos uma usina de reciclagem, e o lixo é recolhido a cada dois dias.

As saídas para desafogar a cadeia

http://www.clicrbs.com.br/pdf/16005329.pdf

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s