“Seco falava quase 24 horas por dia no celular”, diz delegado

Publicado: 7 de novembro de 2014 em Uncategorized
Tags:, ,
Conforme Polícia Civil, bando de José Carlos dos Santos é responsável por roubo, furto e clonagem de veículos, além de tráfico de drogas

por Eduardo Rosa/ZH

O vídeo

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/jornal-do-almoco/videos/t/edicoes/v/policia-desarticula-quadrilha-de-roubo-de-carros-e-trafico-de-drogas/3746996/ 

Era por meio de um aparelho celular e três chips que José Carlos dos Santos, o Seco, comandava uma das quadrilhas mais violentas e especializadas do Estado de dentro da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). A conclusão é da Polícia Civil, que iniciou uma investigação há 11 meses e, nesta quinta-feira, cumpriu 29 mandados de busca e apreensão e 24 mandados de prisão.

Ele falava quase que 24 horas por dia no aparelho celular, sem constrangimento, com os “cupinchas”, como ele mesmo chama — afirma o delegado Juliano Ferreira, titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos, responsável pela Operação Trinca-Ferro.

Áudios revelam como Seco agia; ouça

De sua cela individual, em uma das galerias da cadeia que é considerada a mais segura do Rio Grande do Sul, ele orquestrava os crimes de roubo, furto e clonagem de veículos e expandia suas atividades criminosas para o tráfico de drogas, aponta a investigação. Em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, a Polícia Civil identificou uma aproximação do bandido de 35 anos com a facção Bala na Cara, com atuação no comércio de entorpecentes na Região Metropolitana.

Após ação contra Seco, sindicância é aberta na Pasc pela Susepe

Desde novembro, em nenhum momento ele ficou sem telefone. Aconteceu de, ao longo deste período, ele trocar de aparelho e de chip — explica Ferreira, acrescentando que as ordens eram dadas a pessoas de sua confiança.

O bando tinha integrantes do sexo feminino. A mulher de Seco, Adriana da Silva Santos Moraes, foi presa em Montenegro — ela é apontada como braço direito do criminoso, responsável por transportar entorpecentes. O depoimento confirma que as mulheres eram usadas também para levar armas para os esconderijos e até para assaltar. Michele, mulher de Ninho (Carlos Raimundo Alves Junior) foi reconhecida como participante do roubo de uma caminhonete Nissan.

A Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos identificou cerca de 200 roubos e furtos de veículos em pouco menos de um ano e estima em aproximadamente R$ 1 milhão o valor movimentado pelo bando.

A maioria desses veículos foi roubada em Porto Alegre. Eles eram vendidos em Santa Catarina, no Paraná e também trocados por entorpecentes no Paraguai — diz o diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), delegado Eduardo de Oliveira Cesar.

Seco chegou à sede do Deic, em Porto Alegre, por volta das 10h30min desta quinta-feira. Ele prestou depoimento, negando envolvimento nos crimes. Formalmente, também disse que a voz nas escutas autorizadas pela Justiça não é sua.

comentários
  1. thiago disse:

    Uma PASC sem servidores é só ir la e confirmar e o Sr. Irine Koch Diretor do DSEP fala em entrevista um absurdo de M…. ele e as IRINETES “não sabiam de nada inocentes”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s