Vigilância falha na hora do crime

Publicado: 13 de maio de 2015 em Uncategorized
Tags:, , ,
Servidora que monitorava as câmeras da prisão cumpria primeiro plantão na sala de controle

No dia em que o traficante Cristiano Souza da Fonseca, o Teréu, foi morto na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc), quinta-feira passada, não havia agentes em todos os postos que deveriam estar sob vigilância.

E mais: a servidora que cuidava da sala de controle – onde se vê em tempo real imagens captadas por cerca de 60 câmeras – foi aprovada no último concurso da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e cumpria naquele dia o terceiro plantão de sua carreira, o primeiro no setor de câmeras.

Zero Hora apurou com servidores que, no posto em que ela estava, deveria haver pelo menos duas pessoas para observar movimentos em três monitores de 42 polegadas cada um. Na última quinta-feira, no entanto, ela fazia plantão sozinha. No momento do ataque a Teréu, estava na sala um servidor de outro setor, olhando imagens de outras galerias. Isso teria contribuído para a distração da plantonista, novata na profissão e sem treinamento para atuar no monitoramento.

Por conta da carência de efetivo e da pressão sobre os funcionários responsáveis pela vigilância do refeitório da galeria A, o clima é de tensão entre agentes. O temor é de que servidores sejam responsabilizados sem que se discuta a falta de funcionários para atuar na prisão que deveria ser de segurança máxima. Conforme Flávio Berneira Junior, presidente Sindicato dos Servidores Penitenciários (Amapergs), a plantonista está muito abalada emocionalmente e sob acompanhamento médico. Na segunda-feira, o sindicato esteve na Pasc. Em um dos setores, onde deveria haver 15 funcionários, havia apenas três. Segundo servidores, a prisão deveria contar com 40 agentes por turno, mas, atualmente, esse número não passaria de 28.

Executores achavam que câmera estava desligada

A redução repercute em pontos estratégicos, que ficam descobertos, como o caso da sala de controle e dos mezaninos nas laterais dos refeitórios. Deveria haver agentes caminhando nos mezaninos, que têm plena visão para os refeitórios. No dia do crime, não havia. Na inspetoria, que controla a entrada e saída de presos das galerias, a ida para o pátio e para o refeitório, o número ideal é de três servidores. Apenas dois estavam lá no dia do assassinato.

A presença de agentes nos mezaninos podia ter impedido esse crime. Mas não há pessoal para estar naquele posto – atesta Berneira.

Para agravar o clima na prisão, na segunda-feira, um dos envolvidos no crime, Paulo Márcio Duarte da Silva, o Maradona, teria feito ameaças. Segundo servidores, ele teria dito que se o nome dele fosse mesmo vinculado à morte de Teréu, mais assassinatos ocorreriam. Os envolvidos na execução foram surpreendidos com a gravação do crime. Eles haviam desconectado o fio de uma câmera de vigilância e acreditavam estar agindo sem registros. O fato de estar tudo documentado aumentou a tensão no local.

ZH pediu para a Susepe informações sobre falta de agentes no dia do crime e sobre a atuação de uma servidora inexperiente na sala de controle, mas não obteve resposta até as 21h de ontem.

http://www.clicrbs.com.br/pdf/17398054.pdf 

Diretor, chefe de segurança e agentes são afastados

Cinco dias depois da execução do traficante Cristiano Souza da Fonseca, o Teréu, dentro da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc), a Secretaria da Segurança Pública do Estado (SSP) informou ontem à noite que foram afastados das funções o diretor, o chefe de segurança e funcionários da prisão. A medida, segundo a secretaria, visa a preservar as investigações sobre as circunstâncias do assassinato.

A decisão foi acertada pelo secretário da Segurança Pública, Wantuir Jacini, e o comando da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe). Devem ser afastados todos os agentes que tinham alguma responsabilidade na vigilância do refeitório da galeria A da Pasc, onde Teréu foi atacado e morto por presos enquanto fazia uma refeição. Nas imagens da câmera de monitoramento, o que se vê são detentos circulando e agindo com naturalidade, por quase 60 minutos, sem que nenhum guarda apareça.

Do total de tempo de gravação, a execução de Teréu, por asfixia, durou 10 minutos. Depois, os presos entram e saem do local sem demonstrar preocupação. Enquanto o corpo está no chão, já com o refeitório vazio, um detento retorna para furtar os tênis de Teréu. Volta minutos depois e devolve o calçado. Em nenhum momento os presos parecem preocupados com os guardas.

Agentes devem depor até o fim desta semana

O afastamento, segundo a secretaria, é provisório, até o fim das investigações. Depois, se nada for comprovado em relação aos servidores, eles poderão retornar às funções. Por enquanto, a direção e a chefia de segurança ficarão a cargo de interinos. A decisão já estaria tomada pela secretaria desde a sexta-feira, dia seguinte à execução, mas demorou para ser concretizada devido aos cuidados para a escolha dos interinos.

A Polícia Civil de Charqueadas deve tomar o depoimento de agentes penitenciários até o fim desta semana. Ontem, o delegado Rodrigo Reis, que conduz a investigação, passou a tarde na penitenciária. Ouviu presos e analisou imagens.

ADRIANA IRION JOSÉ LUÍS COSTA / ZH

comentários
  1. Susepiano disse:

    O principal responsável é o chefe de segurança, este sim a pessoa que deveria se insurgir contra a falta de condições de trabalho na penitenciária, mas, entretanto, ele está mais preocupado com manter a bunda na cadeira do que com a segurança da penitenciária. Com certeza a culpa não é desta colega e espero que ela não sirva de bode expiatório para que os verdadeiros culpados não sejam aliviados. Este cara que estava de chefe de segurança da pasc nem deveria estar no sistema, pois sofreu punição administrativa e mesmo assim ficou na permanência (antes de 10 anos). Quem será que abonou esta irregularidade? Aliás, as últimas duas promoções dele também foram irregulares. Mas com certeza o MP vai apurar isso!

  2. Peter disse:

    A corda sempre arrebenta no lado mais fraco, vamos lá secretaria da segurança publica, liberar diárias e horas extras para suprir as necessidades na falta de efetivo funcional nas cadeias, para nos conseguir controlar a massa carcerária, que a cada dia estão tomando conta e comandando as prisões. Os chefes da SUSEPE só querem aparecer em fotos na mídia como se nada esta acontecendo, como se tudo é um mar de rosas, e as cadeias pegando fogo. Vamos acordar pessoal!

  3. Susepiano disse:

    Enquanto não morrer pessoas dos dois lados eles não levarão o sistema penitenciário a sério infelizmente!

  4. Peter disse:

    E DE LAMBUJA, SENHOR SUSEPIANO É A PURA VERDADE, NÃO ESTÃO NEM AÍ SÓ QUEREM FOTOS E FOTOS E DISPUTA DE BELEZA, E NOS TODOS OS DIAS LEVANDO AMEAÇAS E DESAFOROS DE PRESOS, POR CAUSA QUE TRABALHAMOS MAL, COM UM EFETIVO REDUZIDO, VAMOS LÁ QUAL É A PRIORIDADE VAMOS INVESTIR NA SEGURANÇA PÚBLICA, VAMOS PAGAR HORAS EXTRAS E DIÁRIAS AO AGENTES PARA QUE AS CADEIAS ANDEM COMO É PRA ANDAR, VAMOS COLOCAR GENTE SÉRIA PARA ADMINISTRAR OS PRESÍDIOS, GENTE QUE VESTE A CAMISETA, E SENHOR THIAGO, NÃO VAMOS JULGAR NINGUÉM QUEM SOMOS NÓS PARA JULGAR ALGUEM, O AFASTAMENTO DO LOCAL DO FATO OCORRIDO, EU ACHO QUE É MUITO IMPORTANTE ATÉ PARA NÃO DAR CONTRO VERSAS, E MANTER A PESSOA ACUSADA DO ERRO EM UM BEM ESTAR PSICOLÓGICO, EU CONCORDO QUE OS AGENTES DEVEM TRABALHAR COM UM PSICOLÓGICO BOM, SEM SOFRER REPREASARIAS.

  5. luciano jardim disse:

    Se esse idiota desse governador não tivesse acabado com as horas extras, e mantivesse os diaristas, teria mais guardas antigos para dar auxílio aos agentes novos. Isso é lamentável, largar esses coitados na fogueira. Ele faz a burrada, e depois quem paga o pato somos nós.

  6. Susepiano disse:

    Mas não justifica o terrosismo que o ex-chefe de segurança da pasc estava fazendo com os novos colegas e ninguém fez nada por que é amigo do Mário. Outra coisa, se ele quisesse fazer o trabalho andar mesmo, teria colocado um servidor antigo no monitoramento e não um colega que não teve sequer treinamento. Quem conhece ele sabe que ele não vale o ar que respira. Só espero que a culpa não venha a recair nas costas desta colega.

  7. Susepiano disse:

    Luciano, em parte concordo contigo, pois sabemos da falta de servidores, e, com certeza acaba recaindo sobre quem trabalha o excesso, entretanto, a farra com o dinheiro público no último governo onde apenas alguns amigos do rei eram beneficiados (ex: 29,5 mais 40 he, 18,5 mais 40 he, etc.) trabalhando de segunda a sexta em horário de expediente está refletindo em toda a coletividade hoje, sendo que alguns sequer cumpriam a carga horária. Não podemos fechar os olhos para isso.

  8. Susepiano disse:

    Com relação a esta matéria, falei que iria recair sobre a colega novata. Por que o chefe da asd e o supervisor do dia também não foram indiciados por negligência? Lamentável!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s