CCJ da Câmara aprova separação de presos pela gravidade do crime

Publicado: 5 de agosto de 2015 em Uncategorized
Tags:, ,
Como tramita em caráter terminativo, a proposta seguirá para sanção presidencial caso não haja um recurso pedindo a votação em plenário em cinco dias

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (4) o projeto de lei que estabelece critérios de separação dos presos nos estabelecimentos penais de acordo com a gravidade do crime cometido.

FOLHAPRESS

Como tramita em caráter terminativo, a proposta seguirá para sanção presidencial caso não haja um recurso pedindo a votação em plenário em cinco dias.

O relator, deputado Esperidião Amin (PP-SC), defendeu a aprovação da proposta e argumentou que “os critérios existentes são insuficientes para assegurar a reeducação do preso e proteger-lhe a vida“.
Ele destacou ainda que o tema da matéria ainda não é objeto de apreciação na Lei de Execução Penal, “que se refere apenas aos presos provisórios, segregando o preso primário dos reincidentes“.

Da forma como está, a legislação penal também dá tratamento diferenciado ao preso que for funcionário da administração da Justiça Criminal, ao qual é garantida uma dependência separada.

A proteção do preso com relação aos outros presos foi estendida a todos os presos que se encontrem ameaçados pelos demais. Essa modificação é conveniente e oportuna, pois cabe ao Estado a proteção à vida dos presos“, ressaltou o deputado.

A proposta separa os presos em: acusados por crimes hediondos; por crimes com graves ameaça ou violência à vítima; acusados em crimes não hediondos; e outras imputações. Também há uma divisão para os condenados: por crimes hediondos; primários ou reincidentes; condenados por crimes de grave ameaça ou violência à vítima; e demais condenados por crimes.

O projeto teve origem no Senado, de autoria de Aloizio Mercadante (PT-SP), à época senador. Em sua justificativa, Mercadante explicou que, “com essa divisão, busca-se uma melhor separação entre os presos, levando-se em conta os crimes cometidos para que o Estado possa reassumir o controle das penitenciárias e garantir a reintegração social dos presos“.

Antes de passar pela CCJ, a proposta foi apreciada na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, ainda em 2007. Após isso, o prazo de votação na CCJ venceu há duas legislaturas, foi reaberto na legislatura passada e, novamente, nesta.A Comissão de Constituição e
Justiça da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (4) o projeto de lei que estabelece critérios de separação dos presos nos estabelecimentos penais de acordo com a gravidade do crime cometido.

Como tramita em caráter terminativo, a proposta seguirá para sanção presidencial caso não haja um recurso pedindo a votação em plenário em cinco dias. O relator, deputado Esperidião Amin (PP-SC), defendeu a aprovação da proposta e argumentou que “os critérios existentes são insuficientes para assegurar a reeducação do preso e proteger-lhe a vida”.

Ele destacou ainda que o tema da matéria ainda não é objeto de apreciação na Lei de Execução Penal, “que se refere apenas aos presos provisórios, segregando o preso primário dos reincidentes“.
Da forma como está, a legislação penal também dá tratamento diferenciado ao preso que for funcionário da administração da Justiça Criminal, ao qual é garantida uma dependência separada.

A proteção do preso com relação aos outros presos foi estendida a todos os presos que se encontrem ameaçados pelos demais. Essa modificação é conveniente e oportuna, pois cabe ao Estado a proteção à vida dos presos“, ressaltou o deputado.

A proposta separa os presos em: acusados por crimes hediondos; por crimes com graves ameaça ou violência à vítima; acusados em crimes não hediondos; e outras imputações. Também há uma divisão para os condenados: por crimes hediondos; primários ou reincidentes; condenados por crimes de grave ameaça ou violência à vítima; e demais condenados por crimes.

O projeto teve origem no Senado, de autoria de Aloizio Mercadante (PT-SP), à época senador. Em sua justificativa, Mercadante explicou que, “com essa divisão, busca-se uma melhor separação entre os presos, levando-se em conta os crimes cometidos para que o Estado possa reassumir o controle das penitenciárias e garantir a reintegração social dos presos”.

Antes de passar pela CCJ, a proposta foi apreciada na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, ainda em 2007. Após isso, o prazo de votação na CCJ venceu há duas legislaturas, foi reaberto na legislatura passada e, novamente, nesta.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s